Rota Vicentina – A natureza nua e crua!

Rota Vicentina – A natureza nua e crua!

Se és amante da natureza e do contacto com ela, há algo que tens de conhecer! Trata-se de um projecto de enorme valor e com um trabalho muito bem desenvolvido, a Rota Vicentina. Criada ao longo do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, promove um estilo de vida saudável e sustentado, dando a conhecer ao mundo este cantinho tão especial da Europa.

Rota Vicentina

O projecto

A Rota Vicentina – Associação para a Promoção do Turismo de Natureza na Costa Alentejana e Vicentina, foi criada formalmente em 2013 e é a entidade responsável pelo projecto, tendo contado com a ajuda de diversas outras entidades numa fase embrionária. Actualmente conta com uma vasta rede de parceiros que complementam o projecto. A ideia base do projecto baseia-se na criação de um percurso, rota, dividido em várias etapas, ao longo do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina. Tirando assim partido de uma natureza tão única no mundo. Além da implementação do percurso o projecto visa ainda a dinamização e integração turística da região. O grande objectivo desta associação passa por afirmar a região do sudoeste de Portugal como destino internacional de natureza.

Rota Vicentina

A rota vicentina

A Rota Vicentina é composta por 28 percurso divididos em 3 categorias distintas. 12 Caminhos Históricos, 9 Trilhos dos Pescadores, e 7 Percursos Circulares. Ao todo são mais de 450 km por percorrer, todos eles de uma beleza única no mundo. Todos os percursos estão devidamente sinalizados e são meramente sugestivos, podendo o caminhante optar por encurtar ou aumentar a distância consoante a sua vontade ou necessidade de alojamento. Nalguns casos é ainda possível optar por fazer o percurso a pé ou de bicicleta. Uma coisa é certa: vais ficar fascinado com este cantinho que é o sudoeste. A rota atravessa 5 concelhos, Santiago do Cacém, Sines, Odemira, Aljezur e Vila do Bispo. Mostrando por um lado a ruralidade genuína da região por outro a beleza única e selvagem da costa vicentina.

Caminho Histórico

Totalizando 230 km, os 12 percursos que compõem esta temática prometem mostrar o melhor do mundo rural mais interior. Ao longo dos dos caminhos maioritariamente rurais é possível conhecer  enumeras vilas e aldeias. Vales e montanhas, rios, serras, trilhos apertados, montados, um contacto único com a natureza. Em 2016, o Caminho Histórico da Rota Vicentina foi distinguido com a “Leading Quality Trails – Best of Europe”, certificação europeia de excelência destinada a uma restrita lista de percursos de caminhada na Europa.

  1. Santiago do Cacém – Vale Seco (18 Km)
  2. Vale Seco – Cercal do Alentejo (23 Km)
  3. Cercal do Alentejo – Porto Covo (18 Km)
  4. Cercal do Alentejo – S. Luís (21 Km)
  5. S. Luis – Odemira (25 Km)
  6. Odemira – São Teotónio (19 Km)
  7. São Teotónio – Odeceixe (17 Km)
  8. Odeceixe – Aljezur (18 Km)
  9. Aljezur – Arrifana (12 Km)
  10. Arrifana – Carrapateira (24 Km)
  11. Carrapateira – Vila do Bispo (22 Km)
  12. Vila do Bispo – Cabo de S. Vicente (14 Km)

Rota Vicentina

Trilho dos Pescadores

As 9 etapas que completam este trilho totalizam  120 Km. Sempre percorrendo a linha do litoral, os trilhos dos pescadores  seguem os caminhos ao longo das dunas de areia que servem de acesso ao locais para as praias e para os pesqueiros. A beleza selvagem daquela linha de litoral é única no mundo. O mar, as arribas e falésias, as dunas, a vegetação circundante, tudo! Tudo merece ser visto e sentido. Dos 9 percursos, 5 deles são percursos circulares, por vezes utilizando parte do percurso do caminho histórico. Ao contrário do anterior, o Trilho dos Pescadores apenas pode ser realizado a pé, uma vez que atravessa as dunas e caminhos mais íngremes e sinuosos. Tratam-se também de percursos mais difíceis do ponto de vista físico uma vez que a progressão muitas vezes é feita em areal, por vezes com mais vento, e por caminhos mais técnicos.

  1. Porto Covo – Vila Nova de Milfontes (20 Km)
  2. Vila Nova de Milfontes – Almograve (15 Km)
  3. Almograve – Zambujeira do Mar (22 Km)
  4. Zambujeira do Mar – Odeceixe (18 Km)
  5. Circuito Praia de Odeceixe (9 Km)
  6. Circuito Praia da Amoreira (6 Km)
  7. Circuito Ponta da Atalaia (14 Km)
  8. Circuito Pontal da Carrapateira (10 Km)
  9. Circuito Praia do Telheiro (6 Km)

Rota Vicentina

Circuitos Circulares

São 7 os circuitos circulares com um total de 90 Km. Nesta categoria existe a vantagem de os percursos terminarem onde iniciamos. O que dispensa uma maior logística. Não podemos dispensar a necessidade de alojamento ou de transporte de retorno para o ponto inicial. São percursos mais curtos, que podem ser feitos a pé ou de bicicleta, à excepção do circuito Dunas do Almograve e Da Bordeira até ao Mar, que apenas podem ser feitos a pé. São percursos a pensar em quem se está a iniciar na caminhada, de duração de meio dia ou menos. Se ainda não experimentas-te começa por aqui, vais ver que já não vais conseguir parar! Aqui vais poder escolher entre a paisagem do litoral ou a tranquilidade e ruralidade do anterior.

  1. Dunas do Almograve (8 Km)
  2. Hortas de S. Luís (3.5 Km)
  3. Troviscais do Mira (11.5 Km)
  4. Rotas de Santa Clara (10 Km + 13 Km)
  5. Da Bordeira até ao Mar (6 Km + 13.5 Km)
  6. Endiabrada e os Lagos Escondidos (7 Km + 16 Km)
  7. Cerros da Carrapateira (13.5 Km)

A informação necessária à realização dos percursos pode ser consultada no site oficial da Rota Vicentina.

Conselhos e Sugestões

A Rota Vicentina é algo único no mundo e que ninguém deverá perder. Quer pelo contacto pela natureza, quer pelo prazer de caminhar, todos nós deveria-mos pelo menos fazer alguns percursos e conhecer ainda melhor o nosso Alentejo. No entanto existem coisas que devemos saber antes de partir-mos nesta aventura.

Antes de partir planeia a tua viagem. Um só percurso, vários, toda a rota, de qualquer das formar. É fundamental saberes para o que vais. Onde começa o percurso, a sua distância, a previsão meteorológica, se vais ou não precisar de transferes, tudo. Só assim não irás ter surpresas. Garante a tua segurança. Os percursos estão devidamente sinalizados, mas por vezes poderás passar por locais mais técnicos e difíceis . Principalmente nos trilhos dos pescadores, onde por vezes se percorrem distâncias mesmo junto às falésias, é necessário cuidado redobrado.

Leva equipamento confortável. Trata-se de uma caminhada. O calçado é uma das peças mais fundamentais. É necessário que te garanta conformo e segurança. É desaconselhado o uso de chinelos. O vestuário deve de ser ajustado à altura do ano e às condições climatérica, mas deverá ser sempre prático e confortável. Junto à linha de costa, é normal se fazer sentir mais vento, pelo que deverás estar sempre prevenido com um corta-vento. No caso de ires fazer um percurso de bicicleta, o equipamento deverá ser o ajustado, e a utilização de capacete é como sempre aconselhável. Os mantimentos também é algo que devemos ter muito em conta. Em primeiro lugar a água! Garante que não te vai faltar água fresca, indispensável para a prática de caminhada. Mantém-te hidratado. Em segundo, comida. Consoante a distância que irás percorrer deverás ter em atenção a comida que deverás levar. Obviamente que se for caminhar um dia inteiro irás precisar de mais comida do que se fores apenas caminhar meio dia. Ajusta a carga. Levar algo que não vais precisar apenas te vai dificultar a rota. Quanto mais carga levares mais difícil será a tua progressão, por isso pensa bem se realmente vais precisar de algo que pensas em levar.

Rota Vicentina

companhia também é algo que deverás equacionar. A caminhada é um desporto que sabe melhor quando é partilhado, e vais ver que a paisagem é mais bela ainda se fores acompanhado. Além disso aumenta a tua segurança no caso de te acontecer qualquer coisa. Se fores sozinho, comunica a alguém o que vais fazer e para onde estás a pensar ir. Mais uma vez, será para tua segurança.

Deixa tudo no seu lugar, e não acrescentes nada. Irás passar por paisagens sensíveis, tenta causar o menor impacto possível nela. Além disso tem atenção ao lixo, não o deixes para trás. A altura mais indicada para percorrer a Rota Vicentina é de Setembro a Junho, evitando assim os meses de maior calor e maior confusão turística que se faz sentir na região. Irás passar certamente em locais já aqui reportados por nós, aproveita a informação adicional e manda-nos uma foto tua na Rota Vicentina! Não percas as praias alentejanas a não perder, a Praia da Samoqueira, a Ilha do Pessegeiro, e a belíssima e selvagem praia da Amália!

De que estás à espera? Planeia já a viagem e percorre a Rota Vicentina! O Alentejo é algo único no mundo, aproveita-o. Segue à descoberta desta maravilha, segue à descoberta do Rota Vicentina!

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Inline
Inline