A Ceifa – Mas à Antiga…À Calma…

A Ceifa – Mas à Antiga…À Calma…

Há tradições que a modernização extinguiu, e a ceifa foi uma delas. Falamos da ceifa manual, à antiga, a ceifa suada, forjada debaixo de um sol abrasador. Tudo isto não passa hoje de uma memória, uma tradição há muito extinta, e com ela se extinguiram também os momentos de convívio que caracterizava esta atividade.

Hoje em dia, quando se referimos à ceifa, falamos de grandes máquinas mecânicas que gentilmente substituíram a dolorosa mão de obra  humana. Uma só máquina num dia faz o trabalho de dezenas de pessoas em vários. Era um trabalho demorado e bastante custoso, debaixo de o sol abrasador. A modernização agrícola acabou com este difícil trabalho, dando melhores condições de trabalho, mas acabando também com esta tradição.

Ceifa à antiga alentejo

À antiga

A jolda partia para campo ainda de noite, aproveitar as primeiras horas de luz ainda “pela fresca” era fundamental. Era um trabalho duro fisicamente e a isso juntavam-se as altas temperaturas que caracterizam o nosso Alentejo no Verão. Mas nem isso fazia com que os trabalhadores perdessem o ânimo. Vestidos a rigor e de foice na mão, seguiam alegremente cantando! As vestes cobriam todo o corpo. A exposição direta da pele ao sol e à seara era algo a evitar. Nos dedos, canudos. Feitos à medida e de cana, protegiam os mesmos de um possível descuido. Motivados por um ganha-pão e a mando do manageiro, o corte seguia. Em linha, e em ritmo desenfreado. Ignorando os dissabores desta profissão, os ceifeiros e as ceifeiras, criavam ali momentos de convívio sem igual. O cante alentejano assentava ali praça. A moda servia de embalo às dores no corpo, na lide, à hora da bucha, e até mesmo à sesta. De sol a sol, estas gentes cantavam um Alentejo tão nosso. Tão profundo. “E à calma, e à calma ceifando o trigo, pela força, pela força do calor”, seguiam.

Tudo isto hoje terminou, mas a memória da ceifa ficará para sempre eternizada no nosso Alentejo, sendo algo que contribui bastante para a nossa identidade!

Não percas também a tradição do dia da espiga e quinta-feira da ascensão!

 

 

Comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Inline
Inline