A arte d’Os Chocalhos de Alcáçovas

Spread the love

Para muitos de hoje em dia trata-se de um objecto desconhecido, ou até confundido com um sino, para tantos outros, é o reviver de os tempos de antigamente, junto ao gado, enquanto este pastoreava. Os chocalhos ainda hoje são utilizados na pecuária, mas de uma maneira mais contida, tal como a produção artesanal dos mesmos. Pensar em tal arte transporta-nos para a pacata vila alentejana de Alcáçovas. Os chocalhos de Alcáçovas são uma marca do nosso Alentejo que se perpetuou ao longos dos tempos.

chocalhos de alcáçovas

 

Sendo o Alentejo uma região de pastoreio, a utilização destes utensílios, utilizados para melhor localizar o gado, é já bastante antiga tendo até sidos encontrados exemplares com cerca de 2000 anos, da época dos Romanos. Não sendo possível datar de maneira clara o inicio desta arte na vila de Alcáçovas, sabe-se contudo que por volta do século XVIII era sem dúvida a “industria tradicional da vila”, como escreve José Augusto do Rosário em 1928.

Registos mais recentes, do século XIX reconhecem esta arte como profissão e sabe-se ainda que em 1913 existiam 13 famílias que se dedicavam ao fabrico dos Chocalhos. Como quase todas as artes antigas do nosso Alentejo, esta tem vindo a perder fervor ao longo dos tempo, mantendo no entanto toda a beleza do artesanato antigo, transmitido de geração em geração.

chocalhos de alcáçovas

Pode-se dizer que os Chocalhos de Alcáçovas são hoje construídos da mesma maneira de há 200 anos atrás. Até as ferramentas que auxiliam os mestres chocalheiros são idênticas. Uma maneira bonita de parar no tempo. Dos mais diversos formatos e tamanhos, consoante a sua finalidade, moldados um a um, pelas mãos de quem não se desmagina e tudo faz para não deixar acabar esta arte.

Falar em Alcáçovas é inevitavelmente falar nos Chocalhos de Alcáçovas e reviver esta arte tão antiga quanto bela, classificada a 1 de Dezembro de 2015 como Património Imaterial da UNESCO e que conta ainda com o seu próprio museu naquela pacata vila.

Consulta também: Quinta-feira da Ascenção – Dia da Espiga!

Comentários

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Inline
Inline